Por que somos tão diferentes?

Como uma impressão digital, cada pessoa é única. Cada pessoa representa uma combinação em especial: a herança genética de seus pais, avós e seus ancestrais. Além da variação fisiológica, cada pessoa possui sua própria experiência de vida, diferente um dos outros, o que torna diferente nossa personalidade singular.

Nós celebramos as diferenças de identidade de cada ser humano. E, como criaturas de mesma espécie apesar de fazermos parte do mesmo país e falarmos o mesmo idioma.
Ao mesmo tempo, as diferenças físicas e de personalidade entre as pessoas têm sido a base para a discriminação e opressão.
No entanto, somos tão diferentes a ponto de sermos de espécies distintas e nos permitir a desigualdade?
A ciência atual nos diz que compartilhamos um ancestral comum e a diferença visível entre as pessoas são variações naturais, resultados do casamento, migração e adaptação a diferentes ambientes.
Olhando através dos olhos da ciência, história e experiência vivida, o Projeto "RACE" explica as diferenças entre as pessoas e revela a realidade - e irrealidade - da "raça". A história é complexa e pode desafiar a forma como pensamos sobre raça e variação humana, sobre as diferenças e semelhanças entre as pessoas.

Apenas Superficial!


Por que algumas pessoas têm pele mais clara e outros têm a pele mais escura? Como explicam os cientistas sobre ampla diversidade da cor da pele humana ao redor do globo?
A cor da pele é uma das mais visíveis características físicas humanas. Ela tem sido usada para dividir as pessoas em categorias "raciais". A antropóloga Nina Jablonski, Ph.D. teoriza que as variações na pele humana são características adaptativas que está intimamente relacionada à geografia e à radiação ultravioleta do sol, e não a raça.
"Ao longo da evolução, os ancestrais humanos tornam-se maiores e mais ativos à medida que se mudaram para lugares mais quentes, e ambientes  mais abertos em busca de comida e água”.Nesses lugares, o maior desafio foi manter-se fresco”. “A adaptação que eles fizeram foi aumentar o número de suor das glândulas em sua pele e, ao mesmo tempo, reduziram a quantidade de pêlos no corpo. Com menos cabelo, transpiração pode evaporar com mais facilidade e resfriar o corpo de forma mais eficiente”. "Mas esta pele menos peluda era um problema porque ele foi exposto a um sol muito forte, especialmente em países perto do equador”. "Forte exposição ao sol danifica o corpo. A solução foi evoluir a pele que foi ficando permanentemente mais escura, de modo a proteger contra os raios mais nocivos do sol.”
"A situação oposta juntamente aconteceu com alguns grupos  humanos que  mudaram-se para regiões mais distantes do equador, onde os níveis de raios ultravioletas são mais baixos, com a seleção natural  favoreceu uma pele mais clara"
Jablonski e George Chaplin buscaram provar sua hipótese de que a cor da pele humana correlaciona-se estreitamente com os níveis anuais de níveis de radiação UV com base na geografia e outros fatores ambientais.Eles mediram refletância da pele (uma maneira de quantificar a cor da pele através da medição da quantidade de luz que reflete) em pessoas ao redor do mundo. Suas observações reais de reflectância da pele intimamente paralelas a suas previsões.

Fonte:http://understandingrace.org Foto:Race Project

1 Sua Vez...:

Adorei o post. Pena que a maioria das pessoas não leva isso em consideração. Diferenças de fenótipo acabam implicando em preconceitos, em esteriótipos. Pessoas são segregadas pelo tom de pele, cor do cabelo, formato e cor dos olhos. É uma construção social. É triste e infelizmente faz parte do cotidiano. Já está embutido no inconsciente da maioria das pessoas. Parabéns pelo blog. Você é uma pessoa que faz a diferença.

Licença Creative Commons
O trabalho ETNIA BRASILEIRA de Livia Zaruty foi licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição - NãoComercial - SemDerivados 3.0 Não Adaptada.
Com base no trabalho disponível em www.etniabrasileira.com.br.
Podem estar disponíveis autorizações adicionais ao âmbito desta licença em http://www.etniabrasileira.org.